logo Troca linha TROCA - Plataforma por um comércio internacional justo

A embaixadora do Canadá agastada com os franceses

A embaixadora do Canadá agastada com os franceses

A embaixadora do Canadá agastada com os franceses

A publicação on-line, EURACTIV.fr, reproduziu, em 6 de Fevereiro de 2020, as palavras da embaixadora do Canadá, agastada com a maneira como os franceses vêem o seu país.

A aprovação do CETA em França, pelo Parlamento, carece ainda da aprovação pelo Senado e uma grande parte dos franceses e sobretudo os agricultores e criadores de gado têm feito inúmeras manifestações contra este acordo; na verdade o Canadá, desde uma agricultura com aplicação de pesticidas, ao cultivo de OGM(s),e à alimentação de animais com hormonas, tem uma legislação muito mais permissiva do que a da União Europeia, ao contrário do que é dito.

E que sentido faz, exportar gado suíno para França que tem um enorme sector de criação destes animais?

“A embaixadora do Canadá critica a atitude da França em relação ao CETA”

“A embaixadora do Canadá em França, Isabelle Hudon, levantou o tom na quarta-feira e criticou a “agressão ao Canadá” que ouviu durante o debate parlamentar sobre o acordo de livre comércio entre a UE e o Canadá (CETA), que ainda não foi ratificado.

“Durante o ano passado e especialmente durante o debate sobre o CETA no último verão (na Assembleia Nacional), ouvi comentários francamente chocantes sobre o Canadá e a sua agricultura, como se os nossos agricultores estivessem a produzir, sem padrões, comida insegura e de baixa qualidade, disse a embaixadora durante uma audiência no Senado. O termo francês pelo que ouvi é quase considerar o Canadá como agro-destruidor”, acrescentou a embaixadora. Não posso permitir que um retrato distorcido seja desenhado ao serviço de certas posturas políticas, disse ela.”

O voto do CETA divide os deputados da maioria

(A Assembleia national aprovou o controverso tratados de livre comércio entre a UE e o Canadá -CETA – num clima de contestação dos deputados da maioria, em que 9 votaram contra e 52 abstiveram-se.)

“Não quero nunca mais, ver o meu país prejudicado, injustamente acusado dos piores problemas de saúde e ambientais, insistiu ela na frente dos senadores.

Eu peço-vos que considerem que os agricultores canadianos, assim como os franceses, merecem o nosso respeito. Eles enfrentam as mesmas pressões que os vossos, padrões cada vez mais altos e exigências cada vez maiores dos consumidores , disse ela.

Isabelle Hudon lembrou os aumentos das exportações agrícolas francesas para o Canadá, desde a entrada em vigor parcial do acordo, há dois anos, com, nomeadamente, um aumento de 11% nos vinhos franceses, que deste modo roubaram o 1.º lugar aos dos EUA.

Com o CETA, o Canadá estende-se à Europa e à França, disse a embaixadora, que alertou os senadores franceses sobre a “mensagem geopolítica” que eles enviariam ao seu país ao rejeitarem o acordo comercial.

Seria uma enorme bofetada se a primeira votação contra o [CETA na UE] viesse da França, disse ela.”

A frente dos agricultores franceses contra o CETA não enfraquece

As acções punitivas lançadas pelos agricultores contra os deputados que ratificaram o tratado de livre comércio entre a UE e o Canadá – CETA – multiplicaram-se, sinal de uma oposição que não enfraquece.

Negociado durante mais de 7 anos «o Acordo Económico Comercial Global» (AECG) — em inglês Ceta — foi aprovado pelo Parlamento Europeu em Fevereiro de 2017. Ele suprime, nomeadamente os direitos alfandegários em 98 % dos produtos trocados entre a União Europeia e o Canadá. Em fins de Julho, a Assembleia nacional francesa aprovou o CETA com 266 votos a favor, 213 votos contra e 74 abstenções. Mas 9 deputados do partido presidencial,  LREM, pronunciaram-se contra e 52 abstiveram-se. La direita votou contra.

https://www.euractiv.fr/section/commerce-industrie/news/lambassadrice-canadienne-fustige-lattitude-de-la-france-sur-le-ceta/?utm_source=EURACTIV&utm_campaign=d2aae9652c-RSS_EMAIL_FR_Economie&utm_medium=email&utm_term=0_c59e2fd7a9-d2aae9652c-115828647

“Caminante, no hay camino, se hace camino al andar”
(António Machado)