logo Troca linha TROCA - Plataforma por um comércio internacional justo

Chipre rejeita CETA

Chipre rejeita CETA

Chipre rejeita CETA

O parlamento cipriota votou contra a ratificação do CETA. Existiram 18 votos a favor e 37 votos contra a ratificação.

Dos 8 partidos representados no parlamento, apenas o partido de governo votou a favor da ratificação. O DISY (direita) alegou que o CETA traria benefícios económicos para o Chipre, mas defendeu-se das críticas dos outros partidos alegando também (contraditoriamente) que o comércio entre o Canadá e o Chipre é quase irrelevante pelo que o acordo será quase inconsequente. Este partido também avisou que um chumbo da ratificação vai impedir que o acordo seja aprovado em toda a União Europeia, o que poderia fazer com que o Chipre viesse a ser prejudicado no contexto europeu.

Os restantes partidos (centro-esquerda, esquerda, ecologistas, centro-direita, extrema-direita e outros) votaram contra a ratificação. Entre as razões apresentadas conta-se: a não protecção do queijo Halloumi; os perigos do ICS contra a soberania nacional; a forma como o CETA reforça o poder das empresas multinacionais; a oposição de sindicatos e associações de agricultores, o antecedente perigoso que pode criar relativamente a um eventual acordo com os EUA ou com os países do Mercosul e o facto do processo de negociação não ter tido em conta as preocupações cipriotas.

Se o parlamento cipriota for o único a chumbar o CETA, seria fácil de imaginar que as instituições europeias viessem a oferecer garantias acrescidas quanto ao queijo Halloumi (já não poderão alterar o texto do tratado, mas poderiam dar garantias informais de que os comités conjuntos previstos no CETA irão assegurar as proteções necessárias). Nessa altura poderia ser proposto um segundo voto, que talvez passasse.

Mas se o parlamento holandês ou francês também chumbar o CETA, o caso muda de figura. Com este antecedente cipriota, o CETA ainda poderá estar em maus lençóis, o que é uma excelente notícia para a Europa, para o Canadá e para o mundo.