logo Troca linha TROCA - Plataforma por um comércio international justo

Crónica de um lançamento anunciado

Crónica de um lançamento anunciado

Crónica de um lançamento anunciado

Agora que voltámos a respirar fundo, depois das intensas actividades de lançamento da Campanha “Direitos para as pessoas, regras para as multinacionais – Vamos pôr fim ao ISDS!”, cujo elemento central é a petição “Direitos humanos primeiro! Justiça igual para todos!”, vale a pena fazer e partilhar um apanhado do caminho feito e dos resultados alcançados.

 

1.

Foi em Janeiro de 2018 que, após intensa reflexão conjunta do colectivo e com o objectivo de adequar a nossa acção à realidade entretanto vigente, decidimos mudar o foco do nosso trabalho, que passou a centrar-se no combate à justiça paralela e exclusiva para multinacionais, presente em acordos de comércio e investimento. Começámos pelo MIC (Multilateral International Court), que a Comissão Europeia quer promover como sucedâneo do largamente criticado ISDS (em português: Resolução de litígios entre investidor e estado). Isso implicava uma mudança de nome e foi assim que a Plataforma Não ao Tratado Transatlântico – criada em de Julho de 2014 no contexto da luta contra o TTIP (o acordo entre os EUA e a UE) –  passou a TROCA – Plataforma por um Comércio Internacional Justo. Foi também criada uma nova página, assegurando todo o anterior material disponível. Ver melhor aqui.

 

 2.

Em Outubro de 2018 foi a vez de a rede europeia em que a TROCA está enquadrada realizar uma reunião estratégica, destinada a tomar decisões sobre a abordagem a adoptar numa nova campanha. Foi nessa altura que, em Bruxelas, participámos na decisão sobre o foco no ISDS (em português: Resolução de litígios entre investidor e estado) e na ligação, como outra face da medalha, aos movimentos em prol do tratado vinculativo da ONU e contra a impunidade empresarial.

 

A TROCA na Formação sobre Multinacionais e Justiça

3.

A partir daí, decorrem os preparativos: em Novembro, também em Bruxelas, a TROCA participa na “Formação de Multiplicadores”, organizada pela rede europeia e numa segunda reunião estratégica sobre a campanha.

 

4.

Em Portugal, elaboramos o nosso plano e cumprimo-lo, passo a passo:

  • A 16 de Dezembro 2018, realizámos uma acção de formação sobre Justiça e Multinacionais para activistas e interessados;

  • Em colaboração com parceiros, estivemos presentes em 8 eventos públicos para apresentar a campanha, nomeadamente: no espaço Com Calma, no Seminário Cultura e Direitos Humanos (Évora), na Casa de Pedrogão Grande, no ISCTE, na Fábrica de Alternativas, no Smup, numa formação da ReAJ e com o Sindicato dos Engenheiros;

  • Elaborámos e enviámos emails às organizações parceiras para informar e pedindo para divulgarem a campanha, das quais 10 aderiram à campanha e promoveram a assinatura da petição; foram elas: Academia cidadã, ASMAA, Precários inflexíveis, CIDAC, Climáximo, Gaia, Opus Diversidade, PALP, SOS Racismo, Vidas Alternativas;

  • Elaborámos e enviámos várias dezenas de emails a outras organizações, também informando e pedindo divulgação; 6 organizações aderiram à campanha europeia: Centro Inter Cultura Cidade, OIKOS Cooperação e Desenvolvimento, Transparency International Portugal, ZERO, Desafio vegetariano, Um Activismo por dia e Ecomood;

  • Elaborámos um grande número de conteúdos para o site, por exemplo, sobre o Tratado vinculativo da ONU, por forma a termos informação actualizada e completa no site da TROCA;

  • Assegurámos a presença nas redes sociais, divulgando as publicações e eventos do site; fizemos publicidade, conseguindo que as publicações chegassem a mais de 170.000 pessoas;

  • Publicámos pedidos de apoio no site, tendo-se disponibilizado 5 voluntários para traduções e recebido 77,- EUR em donativos; Aqui fica o nosso enorme OBRIGADO! Note-se que todo o nosso trabalho é voluntário e todos os donativos são exclusivamente utilizados para materiais de divulgação ou deslocações a eventos;

  • Pedimos reuniões a todos os partidos com e sem assento na AR para os informar sobre a campanha e reunimo-nos com os que aceitaram, nomeadamente, BE, PS, PCP, PAN e LIVRE, PEV e MPT.

  • Pedimos reunião às centrais sindicais e sindicatos e reunimo-nos com a CGTP, a USI e o Sindicato dos Engenheiros;

  • Pedimos reunião e reunimos com alguns cidadãos que se destacam pelo seu percurso de intervenção cívica, tais como: António Dores, António Garcia Pereira, Tiago Mota Saraiva e Gil Penha Lopes;

  • Escrevemos 3 artigos que foram publicados em órgãos de comunicação social (Tornado, Público, Le Monde Diplomatique)

  • No contexto da campanha, foram publicados 4 artigos de vários autores (no jornal Público, Jornal i e Esquerda.net)

  • Ainda sobre a campanha, houve 2 podcasts (Smack.pt e Vidas Alternativas), 3 em rádios (Rádio Alma, Rádio Zero e Rádio Megaweb online) e textos em 6 em blogs (Aventar, Cidadania Lx, Esquerda Republicana, Ágora), além da divulgação do assunto por parte de páginas de facebook populares tais como o Jovem Conservador de Direita e Rise Up Portugal

  • Traduzimos para português todos os conteúdos do site europeu, que ficaram prontos a tempo do lançamento;

  • Assegurámos a ligação à campanha europeia, através de relatórios sobre sobre o estado da campanha e das reuniões semanais de coordenação;

  • Elaborámos 2 Flyers sobre o ISDS, 1 cartaz e fizemos a respectiva colagem, pintámos caixas para a acção de rua, fizemos 1 vídeo e fotos;

  • Finalmente, a 22 de Janeiro 2019, estávamos a postos e fizemos uma acção simbólica de rua, com distribuição de flyers em frente à loja da EDP, no Marquês do Pombal (Video).

 

Como resultado de toda esta actividade, nas primeiras 48 horas havia em Portugal 1.310 subscrições da petição na widget da TROCA; o número a nível europeu era de 160.000.

 

Na nossa avaliação, constatamos que

  • foi um enorme esforço mas

  • criámos uma boa dinâmica com parceiros e apoiantes!

  • gostaríamos de ter tido um número mais elevado de assinaturas;

  • em cada actividade, devemos questionar ainda mais o direccionamento para o objectivo;

  • no planeamento estratégico devemos ter mais presente na análise a teoria da mudança.

  • e mais uma vez, demonstrámos que somos uma equipa polivalente, sinergética, totalmente democrática, apartidária, horizontal e transparente!

 

Vamos continuar e precisamos da ajuda de todos!

Junta-te à TROCA!