logo Troca linha TROCA - Plataforma por um comércio internacional justo

Governo Português quer o acordo UE-Mercosul rapidamente

Governo Português quer o acordo UE-Mercosul rapidamente

Governo Português quer o acordo UE-Mercosul rapidamente

Não se incomodando com o massacre deliberado dos povos indígenas que o governo de Jair Bolsonaro está a levar a cabo, nem com os pedidos que estes têm feito para que os países europeus não ratifiquem o acordo UE-Mercosul, o governo português foi um de oito que se manifestou a favor de uma rápida ratificação do acordo UE-Mercosul.

Este pedido surge em oposição a uma vitória dos movimentos ambientalistas e de defesa dos Direitos Humanos: o Parlamento Europeu e vários governos europeus tornaram claro que “o Acordo UE-Mercosul não deverá ser ratificado no seu estado actual”, tendo em conta os riscos que representa para a preservação da Amazónia e do Cerrado (em face da irresponsabilidade criminosa do actual governo brasileiro), a forma como irá agravar o problema das alterações climáticas e como estará verdadeiramente “regado de sangue indígena”.

Infelizmente, os ministros da área do Comércio ou dos Negócios Estrangeiros da República Checa, Dinamarca, Estónia, Espanha, Finlândia, Itália, Letónia e Suécia não só são insensíveis a estas questões como chegam mesmo – de forma perturbadoramente hipócrita – a falar em riscos ambientais para promover uma assinatura rápida do acordo.

Embora ninguém leve a sério quem defenda a sua escolha de ser cúmplice de um crime alegando que, caso recusasse, o outro criminoso encontraria outro parceiro, a carta dos ministros dá a entender que se justifica a cumplicidade com as violações de Direitos Humanos do governo de Jair Bolsonaro com base na alegada disponibilidade de outros parceiros geo-estratégicos como a China ou os Estados Unidos.

Não há como negar que as empresas multinacionais sediadas na Europa poderão lucrar bastante com este acordo devastador para a economia sul-americana. No entanto, existem muitas e boas razões pelas quais deve ser rejeitado. É lamentável que o governo português lhes seja indiferente.