logo Troca linha TROCA - Plataforma por um comércio internacional justo

O que é a “intimidação regulatória”?

O que é a “intimidação regulatória”?

O que é a “intimidação regulatória”?

O sistema ISDS (e seus semelhantes) ameaça o nosso Planeta, a nossa Democracia, os serviços públicos, os direitos laborais, a coesão social e até os Direitos Humanos (entre outros valores fundamentais) por duas vias diferentes.

Por um lado, ameaça estes valores directamente ao punir (com indemnizações que em média valem cerca de 100 milhões de euros, mas podem atingir valores muitíssimo superiores) governos que procuraram promover estes valores através de políticas públicas que, alegadamente, possam diminuir as perspectivas de lucro de empresas multinacionais ou outros investidores estrangeiros. Nos casos em questão, as políticas em causa são frequentemente descontinuadas ou completamente abandonadas.

Mas este efeito é, na realidade, “a ponta do icebergue”. O impacto directo dos cerca de 1000 casos conhecidos é avassalador, mas quase insignificante em comparação com o impacto que este sistema tem devido ao efeito de “intimidação regulatória”.

efeito intimidacao regulatoria

O efeito de intimidação regulatória ocorre quando os agentes políticos não aprovam políticas para proteger o Planeta, os serviços públicos, os direitos laborais, a coesão social, os Direitos Humanos, entre outras, por recearem processos que podem ter como consequência o pagamento de indemnizações milionárias, que podem colocar em causa as finanças públicas.

Esta ameaça pode ser “explicada” aos decisores políticos através do recurso a lobistas profissionais. Como admitiu a firma de advogados “Steptoe & Johnson”: «pode perfeitamente ser possível usar as protecções dos tratados de investimento [ISDS, ICS] para auxiliar os esforços dos lobistas com o propósito de evitar o surgimento de alterações regulatórias indesejáveis». O mesmo reconheceu também Peter Kirby, da firma de advogados Fasken Martineau: «é uma ferramenta de “lobying” na medida que tu podes ir lá e dizer “Ok, se fizeres isto, nós iremos processar-vos para nos pagarem uma indemnização”. Isso muda o comportamento, em alguns casos».

Vários decisores políticos também referem esta experiência, como nos relata William Greider: «Vi cartas vindas de firmas de advogados de Nova Iorque e Washington DC dirigidas ao governo canadiano em relação a praticamente toda e qualquer nova regulação ambiental […] praticamente todas as iniciativas eram  alvo de missivas e a maior parte delas nunca viu a luz do dia».

Quando escrevemos que os ambientalistas têm no ISDS um “inimigo silencioso”, é a situações como estas que nos referimos.

E, claro está, as empresas multinacionais que mais beneficiam deste sistema também conhecem bem os seus efeitos. A petrolífera Chevron, em 29 de Abril de 2014 declarou, numa reunião com a Comissão Europeia, que «a mera existência do ISDS é importante, já que age como mecanismo dissuasor».

Pela sua própria natureza, não é fácil encontrar exemplos concretos deste mecanismo em acção. Afinal de contas, decisores políticos que receiem o impacto do ISDS têm múltiplas razões para não o assumir publicamente, principalmente se isso coloca a nu o erro em que incorreram ao submeterem-se  a este mecanismo de justiça privada. No entanto, apesar deste sistema operar geralmente de forma invisível, existem alguns casos concretos onde podemos identificar com clareza o efeito do mecanismo de intimidação regulatória:

Qualquer sistema de justiça terá sempre um impacto que em muito ultrapassa o impacto directo associado aos casos que são litigados, já que o efeito dissuasor é sempre de enorme relevância. Mas num mecanismo de justiça privada, que ameaça o Estado de Direito e que é distorcido em favor dos interesses das grandes multinacionais, as consequências deste tipo de intimidação são absolutamente devastadoras. Urge pôr fim imediato a este sistema.