logo Troca linha TROCA - Plataforma por um comércio internacional justo

Sobre nós

Somos um colectivo com individualidades bem distintas e valências bem diversas. Um colectivo apartidário, mas ciente da importância da coisa pública, que, desde de Julho de 2014, tem resistido a todo o tipo de adversidades decorrentes da dimensão deste confronto entre David e Golias.


Somos cidadãos preocupados com o rumo do país, da Europa e do mundo. Mais especificamente naquilo que se relaciona com o comércio internacional, em particular o dito “livre comércio”, que tanto aproveitou e mercantilizou de forma oportunista, descaracterizando clara e totalmente a ideia idílica que se poderia ter da globalização, a viabilização de maior justiça social  e equidade entre os povos. Ao invés, ao longo das últimas décadas, os acordos internacionais de comércio e investimento têm agravado uma situação de insustentabilidade ambiental, social e política que pode ter custos graves para toda a Humanidade. Nos últimos anos, combatemos em especial o ISDS e mecanismos afins que dão às multinacionais o poder para processar estados por legislação ambiental ou social que possa afectar os seus lucros. É a indignação pela subordinação dos estados ao poder gigantesco dos actores financeiros e económicos globais que nos motiva a dedicar o nosso tempo à divulgação e contestação dessa ordem injusta que atenta contra a Democracia.

Somos pessoas que acreditam que a cidadania só tem razão de ser, se exercida. Exercício que começa pela tomada de conhecimento, seguida pelo debate, pela partilha, pela publicação e divulgação de informação, pelo confronto, pela exigência de tomadas de posição e pelo questionamento do poder político face às incongruências sistémicas, às políticas nacionais, europeias e mundiais e opções desastrosas que não têm em consideração o cidadão e muito menos a sua opinião, excluindo-o do debate de assuntos que lhe dizem respeito, dadas as implicações directas na sua qualidade de vida e na preservação do planeta.

Somos actores, agricultores, arquitectos, designers, investigadores, gestores, juristas, músicos, professores, programadores, restauradores, tradutores e usamos o nosso tempo livre de obrigações profissionais, de  forma voluntária e não remunerada. Tentamos envolver o maior número de pessoas, organizações e colectivos cujo desígnio dependa ou tenha ligação com as implicações dos acordos internacionais de comércio e investimento, por acreditarmos e considerarmos que a união entre colectivos, gentes singulares e propósitos diversos se completam e articulados podem traçar um rumo com sentido positivo, evolutivo, diferente do país, da Europa, do mundo…

Reunimos quinzenalmente e realizamos sessões de trabalho durante um dia inteiro bimensalmente com o intuito de planearmos as nossas actividades e acções dos meses seguintes.

Funcionamos num registo de respeito pelo tempo e capacidades de cada um dos activistas envolvidos, tirando o maior partido da conjugação das competências, valências, motivações e disponibilidade de cada um.

Inicialmente, sustentámos financeiramente, e à medida das necessidades, a nossa actividade. Hoje, a maior percentagem de apoio financeiro tem origem em doações pontuais.

Em solidariedade e com gratidão, usufruímos, desde a fundação da Plataforma, do apoio logístico do CIDAC – Centro de Intervenção para o Desenvolvimento Amílcar Cabral, onde habitualmente realizamos as nossas reuniões. Reuniões abertas nas quais desde já te podes sentir convidado a participar, cuja convocatória é publicada no nosso site.